Dois mil participantes estão reunidos em Brasília, para definir, de forma democrática, a Política Nacional de Vigilância em Saúde, que vai nortear as ações do Ministério da Saúde para a área durante os próximos anos. A grande atração da noite de abertura nesta terça (27/02) é a cantora brasiliense Dih Ribeiro, que traz no seu show um vasto repertório da música popular brasileira, evocando a força das africanidades e das mulheres. O show é voltado ao público da 1ª CNVS, a partir de 19h, no Centro de Eventos da Ascade.

Nascida no Rio de Janeiro, criada e Salvador e radicada em Brasília, a cantora é reconhecida nacionalmente por divulgar o samba brasiliense tendo participações e parcerias com importantes nomes da música nacional. Jorge Aragão, Arlindo Cruz e Leci Brandão são alguns dos nomes que já trabalharam com a cantora em diferentes momentos dos seus 30 anos de trajetória na música.

No The Voice Brasil 2017, que segue atualmente na grade da emissora, Dhi fez parte do Time de Carlinhos Brown, levando sua musicalidade para o programa da Globo e ganhando ainda mais fãs pelo Brasil inteiro. A música de Dih também foi tema de novelas como Tempos Modernos (2009), Lado a Lado (2012) e A Força do Querer (2017).

Em junho de 2017, Dhi Ribeiro subiu ao palco do Clube do Choro de Brasília para a gravação do DVD Leme de Libertação. Essa produção independente evoca a questão da consciência negra, que tem norteado a atuação da cantora. O DVD de Dhi Ribeiro será lançado em 2018. A 1ª CNVS segue até dia 2 de março com debates sobre o tema e outras atividades culturais. O evento é uma realização do Conselho Nacional de Saúde (CNS).

Veja a programação completa da 1ª CNVS

Conheça todas as atrações culturais da 1ª CNVS

Foto: Folha Z

Mais informações:

O que: Show de abertura Dih Ribeiro – 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (CNVS)

Quando: 27 de fevereiro às 19h (voltado ao público do evento)

Onde: Centro de Eventos da Ascade (SCES Trecho 2, Conjunto 10, Lote 18, Asa Sul, Brasília)

Contato: (61) 3315-3576 / 3135

A 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (1ª CNVS) começa nesta terça (27/02), em Brasília. É um evento organizado pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS) que vai reunir mais de 2 mil pessoas para definir os rumos da Política Nacional de Vigilância em Saúde no país. Delegados (as), participantes livres e convidados (as) foram convocados a apresentarem números artísticos durante o evento, que será um grande espaço de diversidade, debates, expressão e compartilhamento de experiências. Veja quem foram os selecionados. A curadoria levou em consideração a relação da apresentação com o tema da Vigilância em Saúde.

PROGRAMAÇÃO – ATIVIDADES CULTURAIS

27 de fevereiro

14h30 – João Alessandro do Monte – Doutor Peteleco – Dias D`ávila – (BA)
Palhaço/Teatro. Apresentação lúdica sobre saúde e prevenção (15min).
Plenária Principal.

28 de fevereiro

8h30 – Daniel Paz dos Santos – Florianópolis (SC)
Teatro do Oprimido: A realidade da Rua (15min).
Plenária Principal.

11h – Luiza Ivana Almeida da Silva – Osasco (SP)
Poema “Mãe Preocupada”. Relata violência contra jovens negros na periferia (10min).
Plenária Principal.

1º de março

15h – Eni Carajá – Belo Horizonte (MG)
Poema do Cotidiano aborda as nuances da Vigilância em Saúde (5min)
Palco do Ato Político.

15h30 – Vanilson Torres – Natal (RN)
Cordel: O Que Danado É Vigilância em Saúde (5min)
Palco do Ato Político.

2 de março

8h – Biel Rivetti – Vicente Pires (DF)
Cantor/Música Pop LGBT (15min)
Plenária Principal.

13h – Neto Braga – Afonso Bezerra (RN)
Poema: A Fábula Fabulosa (10min)
Plenária Principal.

Veja a programação completa da 1ª CNVS

Foto: Mostra Cultural da 2ª Conferência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (2016).

Ascom CNS

Elaborado especialmente para a 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde, cordel aborda as mudanças na Política Nacional de Atenção Básica (PNAB).

A autoria é de Conceição Silva, conselheira nacional de saúde e representante da União de Negros pela Igualdade. A literatura será lançada na 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (CNVS).

 

Conheça: Para o SUS não acabar a PNAB precisa melhorar

Sexta, 23 Fevereiro 2018 20:26

Que Danado é Vigilância em Saúde?

O diálogo entre uma pessoa que não conhece as vigilâncias e um especialista no assunto se transformou no cordel Que Danado é Vigilância em Saúde?.

De autoria do Vanilson Torres, conselheiro nacional de saúde e coordenador do Movimento Nacional de População de Rua (MNPR), a literatura será lançada na 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (CNVS).

Confira: Que Danado é Vigilância em Saúde?

A 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (CNVS) vai começar na próxima terça-feira (27/2) e segue até dia 2 de março.

Entre os palestrantes estão o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Jarbas Barbosa, a procuradora do Ministério Público de Contas do Estado de SP, Élida Graziane, o professor do Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Norberto Rech, e o ex-ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo.

O objetivo do evento é construir a Política Nacional de Vigilância em Saúde, que vai nortear as ações do Ministério da Saúde na área. A conferência, organizada pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), será realizado no Centro de Eventos da Ascade, em Brasília.

A 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (CNVS) vai começar na próxima terça-feira (27/2) e segue até dia 2 de março. O objetivo do evento é construir a Política Nacional de Vigilância em Saúde, que vai nortear as ações do Ministério da Saúde na área. A conferência, organizada pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), será realizado no Centro de Eventos da Ascade, em Brasília.

Com o tema central Vigilância em Saúde: Direito, Conquistas e Defesa de um Sistema Único de Saúde (SUS) Público de Qualidade, a conferência deverá reunir cerca de 2 mil pessoas para a construção de uma política que fortaleça as ações de promoção e proteção à saúde dos brasileiros e brasileiras. Construída coletivamente entre os participantes, a política deve estabelecer um modelo de atenção à saúde que reduza o risco de doenças e outros agravos.

Entre os palestrantes estão o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Jarbas Barbosa, a procuradora do Ministério Público de Contas do Estado de SP, Élida Graziane, o professor do Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Norberto Rech, e o ex-ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo.

O fortalecimento do SUS, a democracia, a importância do olhar para o território, as responsabilidades do poder público e o lugar da Vigilância em Saúde no SUS estão entre os temas que serão discutidos com acadêmicos, especialistas, conselheiros de saúde, trabalhadores, usuários e gestores.

Todos os(as) delegados(as) da 1ªCNVS foram eleitos(as) nas centenas de conferências municipais e macrorregionais realizadas em todo o país, além de 32 conferências livres, 26 conferências estaduais, uma distrital e uma plenária estadual promovida no Rio de Janeiro. Nestas etapas preparatórias, que começaram em junho de 2017, foram consolidadas 170 propostas que serão levadas para a conferência nacional.

A Vigilância em Saúde inclui a vigilância sanitária, a epidemiológica, a ambiental e a de saúde do trabalhador, com atividades de prevenção e promoção da saúde. Com as ações da área, é possível promover mais qualidade de vida.

Para o CNS é fundamental, neste momento de desmonte das políticas públicas e perdas de direitos, resistir, defender e divulgar a amplitude do SUS. Se você estiver em Brasília e quiser contribuir cobrindo este grande evento para veículos tradicionais ou independentes, participe da equipe de comunicação. Para isso, basta preencher formulário de credenciamento aqui.

As inscrições que foram realizadas antes da alteração de data da 1ª CNVS estão mantidas.

Mesmo de longe, você pode ajudar na divulgação curtindo e compartilhando a página do evento criada pelo CNS no face.

Mais informações:

O que: 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (CNVS)
Quando: 27 de fevereiro a 2 de março
Onde: Centro de Eventos da Ascade (SCES Trecho 2, Conjunto 10, Lote 18, Asa Sul, Brasília)
Contato: (61) 3315-3576 / 3135 

Anualmente, milhares de pessoas no Brasil sofrem acidentes de trânsito. Os principais motivos são o uso de álcool, excesso de velocidade e uso de celulares na direção. Os dados foram apresentados pelo Ministério da Saúde (MS), durante o Seminário Preparatório para a 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (1ª CNVS), ocorrido ontem (20/20), na Câmara dos Deputados, em Brasília. O evento foi organizado pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS) e pelas Frentes Parlamentares Mista em Defesa do SUS, em Defesa dos Direitos Humanos e em Defesa do Trânsito Seguro.

Devido ao número de mortes, especialistas já consideram a violência no trânsito uma epidemia. De acordo com Cheila Mariana Lima, representante da área de Vigilância e Prevenção de Acidentes do MS, a pauta também é uma questão de saúde pública. “Se a gente considerar que são mortes previsíveis, preveníveis e evitáveis, não tem sentido passarmos pelo que a gente passa hoje. A Vigilância em Saúde tem condições de trabalhar intersetorialmente para fortalecer os programas e ações educativas entre pedestres, ciclistas e condutores de automóveis”.

De acordo com o deputado Hugo Leal (PSB/RJ) é preciso haver uma grande conscientização nacional para lidar com a “epidemia”. “Qual é a vacina dos acidentes de trânsito? Como vacinar a mente das pessoas para educar? Nós nos acostumamos com as mortes no trânsito. Isso não é normal. O Ministério da Educação tem que estar inserido no debate”. Para ele, todas as vezes em que o poder público não resolver os problemas do trânsito, haverá conivência com as mortes.

Segundo o Ministério da Saúde, em 2015, foram registrados 37.306 óbitos e 204 mil pessoas ficaram feridas. Jurandir Frutuoso, presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), traz dados a nível mundial. “Em 2010 tivemos 1,24 milhões de mortos por acidentes de trânsito em 182 países. É a primeira causa de morte entre 15 e 29 anos. Se nada for feito, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), teremos 2,4 milhões de mortos por acidentes em 2030”, alerta.

1ª CNVS

De acordo com Ronald dos Santos, presidente do CNS e coordenador-geral da 1ª CNVS, é fundamental que o tema seja debatido na conferência, que acontece na próxima semana, de 27 de fevereiro a 2 de março. “Nossos debates geram a possibilidade concreta de fazer com que as pessoas vivam sem sofrimento e com qualidade. Precisamos encontrar soluções para graves problemas que a sociedade enfrenta. Há um conjunto de ações que podem prevenir os riscos. A Política Nacional de Vigilância em Saúde, que será construída na conferência, vem para isso”, propõe.

O conselheiro nacional de saúde, Moysés Toniolo relatou a perda do pai num atropelamento e frisou a necessidade de penas mais duras para os crimes no trânsito. “O crime de trânsito ainda é algo banal e não é penalizado. Perdi o meu pai atropelado numa calçada, mas até hoje o advogado que matou ele não pagou pelo que fez”.

Para o Fernando Pigatto, coordenador-adjunto da 1ª CNVS, ainda há desafios para visibilizar o tema e criar propostas de políticas na área. “Apesar de ser uma discussão importante, chegaram poucas propostas sobre esse tema durante as etapas da 1ª CNVS. O resultado desse debate vai resultar na construção das políticas. Esse seminário e a conferência é um processo de participação popular e controle social no país”, afrmou. As frentes parlamentares devem escrever uma carta aos participantes da conferência para que seja gerado uma moção que trate da relevância da pauta durante o evento. O seminário também discutiu a Febre Amarela como tema central da Vigilância em Saúde.

Veja as fotos do seminário.

Foto: Atibaiense

Ascom CNS

A Vigilância em Saúde é um braço importante do Sistema Único de Saúde (SUS) que garante o direito constitucional dos brasileiros à saúde. Com as ações da área, é possível obter informações e intervir para reduzir riscos de doenças e promover a qualidade de vida.

É justamente para fortalecê-la que o Conselho Nacional de Saúde (CNS) promove, de 27 de fevereiro a 2 de março, a 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (CNVS), cujo objetivo é propor uma Política Nacional de Vigilância em Saúde. Esse documento vai contribuir com um modelo de atenção à saúde voltado para a redução do risco da doença e de outros agravos, onde a promoção, proteção e prevenção têm a mesma importância da recuperação e a assistência. 

A Vigilância em Saúde é um setor estratégico, que deveria influenciar todas as políticas destinadas à saúde pública. Entretanto, opera muitas vezes apenas quando necessário. Conheça cada uma das seis áreas em que a Vigilância em Saúde está subdividiada e saiba porque é essencial defender seu papel central no âmbito do SUS:   

1 – Vigilância Sanitária

Sabe aquele cosmético que prometia suavizar as marcas do rosto, mas acabou provocando alergia? Ou aquele anticoncepcional que não passava de pílula de farinha? Lembra daquele brinquedo que soltava tinta e intoxicava as crianças? Evitar que casos como estes voltem a ocorrer é uma das missões da Vigilância Sanitária, o braço da Vigilância em Saúde responsável por garantir a qualidade de todos os bens, produtos e serviços consumidos pelos brasileiros. No caso dos bens e produtos, o controle e a fiscalização vão desde a produção até o consumo. Já os serviços fiscalizados pela vigilância sanitária incluem locais como hospitais, escolas, clubes, academias e centros comerciais.

2 – Vigilância Epidemiológica

Dentre as suas funções, estão a coleta, análise e divulgação de informações de fatores que influenciam a saúde. São dados sobre doenças de notificação obrigatória, como tétano e sarampo, ou de interesse epidemiológico, como diabetes ou hipertensão. O trabalho auxilia na elaboração de estratégias para a prevenção e o controle desses agravos, como a vacinação e a oferta de remédios gratuitos nos postos de saúde. Também faz parte das ações a investigação de epidemias, como a dengue, a zica e a chucungunha.

3 – Análise de Situação de Saúde

Em 40 anos, a mortalidade infantil de crianças com até 5 anos caiu 87% no Brasil, enquanto a proporção de mortes violentas em relação ao total de óbitos cresceu 59%, conforme pesquisa do IBGE. Monitorar e analisar permanentemente dados como estes, observando suas implicações em cada território, é a função da área de Análise de Situação de Saúde. O trabalho orienta as mudanças necessárias nas políticas públicas e contribui para um planejamento mais efetivo.

4 – Promoção da Saúde

Em pesquisa realizada pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca) os dados mostram que 156 mil pessoas morrem no Brasil, a cada ano, por complicações causadas pelo tabagismo, enquanto as perdas econômicas para o país chegam a R$ 56,9 bilhões ao ano. Para melhorar a qualidade de vida do brasileiro, o setor de Promoção da Saúde atua por meio de intervenções individuais, coletivas e ambientais. O setor combate o tabagismo, o uso de álcool e de drogas, além de estimular a alimentação saudável e a prática de exercícios. Também faz parte da promoção da saúde o estímulo ao desenvolvimento sustentável, à prevenção de acidentes de trânsito e à cultura da paz.

5 – Vigilância em Saúde Ambiental

O Brasil ocupa o 1º lugar no ranking mundial de consumos de agrotóxicos. De acordo com o Inca, é como se cada brasileiro tomasse um galão de cinco litros de veneno por ano. A Vigilância em Saúde Ambiental atua no monitoramento e controle fatores de risco do meio ambiente que interferem na saúde humana. Fazem parte desta ação não só o controle do risco à exposição de contaminantes, como o agrotóxico, mas também o monitoramento da água para consumo humano, do risco de desastres naturais e do controle de resíduos e de vetores transmissores de doença.

6 – Vigilância em Saúde do Trabalhador

A cada 3 horas, um trabalhador morre por acidente de trabalho no Brasil, de acordo com o Observatório Digital De Saúde e Segurança no Trabalho. O dado reforça a importância do setor de Vigilância em Saúde do Trabalhador, que agrega um conjunto de ações que auxiliam na proteção e na recuperação da saúde da população trabalhadora. O objetivo é promover saúde e diminuir os riscos de acidentes de trabalho, morte e adoecimento.

Ascom CNS

A 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (CNVS) acontecerá entre os dias 27 de fevereiro e 2 de março, no Centro de Eventos da Ascade, localizado no SCES Trecho 2, Conjunto 10, Lote 18, Asa Sul, Brasília.

O evento é promovido pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS) e vai reunir mais de duas mil pessoas com o objetivo de criar uma Política Nacional de Vigilância em Saúde e o fortalecer as ações de promoção e proteção à saúde.

A 1ª CNVS tem como tema central “Vigilância em Saúde: Direito, Conquistas e Defesa de um SUS Público de Qualidade”. Os debates ocorrerão em torno de quatro subeixos, sendo eles: O Lugar da Vigilância em Saúde no SUS; Responsabilidades do Estado e dos governos com a vigilância em saúde; Saberes, Práticas, processos de trabalhos e tecnologias na vigilância em saúde; Vigilância em saúde participativa e democrática para enfrentamento das iniquidades sociais em saúde.

Confira a programação

Ascom CNS

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) realizará, entre os dias 27 de fevereiro e 2 de março, a 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (CNVS). O evento vai reunir mais de 2 mil pessoas em Brasília para a criação de uma política nacional que fortaleça as ações de vigilância em saúde no Sistema Único de Saúde (SUS).

A vigilância em saúde inclui a vigilância sanitária, a epidemiológica, a ambiental e a de saúde do trabalhador, com atividades de prevenção e promoção da saúde. Com as ações da área, é possível obter informações e intervir para reduzir riscos de doenças e promover a qualidade de vida.

Para o CNS é fundamental, neste momento de desmonte das políticas públicas e perdas de direitos, resistir, defender e divulgar a amplitude do SUS. Se você estiver em Brasília e quiser contribuir cobrindo este grande evento para veículos tradicionais ou independentes, participe da equipe de comunicação. Para isso, basta preencher formulário de credenciamento aqui.

As inscrições que foram realizadas antes da alteração de data da 1ª CNVS estão mantidas.

Mesmo de longe, você pode ajudar na divulgação curtindo e compartilhando a página do evento criada pelo CNS no face.

Confira a programação!

A conferência nacional conta com um site específico para informações sobre o tema www.cnvs.org.br. A 1ª CNVS será realizada no Centro de Eventos da Ascade, localizada na SCES Trecho 2, Conjunto 10, Lote 18, Asa Sul.

Assessoria de Comunicação                                   
61 3315-3576 / 3135 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.